O que é Propósito Transformador Massivo e como ele pode ser vantajoso para as organizações

No livro “O Jogo Infinito”, o autor Simon Sinek aborda dois conceitos diferentes: propósito e “causa justa”. O propósito pode ser entendido como “por quê”. Um por que vem do passado; é uma história de origem, uma declaração de quem somos - a soma total de nossos valores e crenças.


Uma causa justa, por outro lado, é uma visão específica de futuro. Uma visão tão atraente que as pessoas se disponham a fazer sacrifícios para ajudar a alcançá-la. Uma causa justa define para onde estamos indo. Descreve o mundo no qual esperamos viver e que nos comprometemos a ajudar a construir.


Resumindo: uma causa justa é uma visão específica de um futuro que se deseja.


É fundamental que uma causa justa seja:

  • a favor de algo - afirmativa e otimista;

  • inclusiva - aberta a todos que queiram contribuir;

  • direcionada a prestar serviço para benefício primário de outros;

  • resiliente - capaz de resistir a mudanças políticas, tecnológicas e culturais;

  • idealista - grande, ousada e inatingível.

Vejamos um exemplo para ficar mais claro:

Simon Sinek: “Meu porquê (propósito) é inspirar as pessoas a fazerem o que as inspira, de modo que juntos possamos, um por um, mudar este mundo para melhor. Ele é unicamente meu. Minha causa justa é construir um mundo no qual a grande maioria das pessoas acorde inspirada, sinta-se segura no ambiente de trabalho e volte para casa realizada no fim do dia, e meu desejo é que o maior número possível de pessoas se juntem a mim nessa causa”.

Neste artigo abordaremos o conceito de “causa justa”, comumente encontrado em outras bibliografias com o nome de Propósito Transformador Massivo ou Propósito Massivo Transformador.


O termo Propósito Transformador Massivo (PTM) aparece no livro “Organizações Exponenciais” identificado como um traço comum em todas as 100 startups que mais crescem no mundo, que fizeram parte da pesquisa que deu origem ao livro.


O conceito de Organização Exponencial (ExO), conforme descrito pelos autores é aquela organização “cujo impacto ou resultado é desproporcionalmente grande comparado ao seus pares, devido ao uso de novas técnicas organizacionais que alavancam as tecnologias aceleradas”. As Organizações Exponenciais, quase por definição, pensam GRANDE e possuem uma estratégia de negócios capaz de alcançar um rápido crescimento. As ExOs precisam sonhar alto.


Ao examinar as declarações de propósito das ExOs existentes, os autores se depararam com declarações aspiracionais. Nenhuma indicava o que a organização fazia, mas o que aspirava realizar. As aspirações não eram estreitas, nem específicas de tecnologia; elas pretendiam capturar os corações e mentes, as imaginações e ambições das pessoas, dentro e, principalmente, fora da organização.


Posto isso, podemos dizer que o PTM é o propósito maior e mais ambicioso da organização. Alguns pretendem transformar o planeta, outros apenas um setor produtivo, mas a transformação radical é o objetivo chave. E enquanto as empresas tradicionais podem se sentir envergonhadas de fazer tais afirmações, as ExOs declaram com sinceridade e confiança que pretendem realizar milagres.


É importante reforçar que um PTM não é uma declaração de missão; como já mostramos acima, precisa ser inspirador e aspiracional.


Essa atitude das ExOs de declarar um propósito ambicioso, inspira uma mudança de cultura, que causa efeitos secundários: ela move o ponto focal de uma equipe da política interna para o impacto externo. É fundamental que uma empresa moderna olhe constantemente para fora, especialmente para detectar uma ameaça tecnológica ou competitiva que se aproxima rapidamente. Ao traçar suas estratégias, as equipes devem sempre se perguntar como podem ajudar a alcançar o PTM. Segundo Simon Sinek, o objetivo deve responder a duas perguntas críticas:

  1. Por que fazer este trabalho?

  2. Por que a organização existe?

Um PTM forte é vantajoso para os “pioneiros”. Se for suficientemente abrangente, não há lugar para os concorrentes. Fazendo uma alusão ao PTM do Google, seria muito difícil para uma organização aparecer e anunciar: “Nós também vamos organizar a informação do mundo, mas melhor”. Uma vez que as empresas percebem essa vantagem singular, pode-se esperar uma apropriação em massa de PTMs autênticos nos próximos anos.


Outra vantagem de um PTM forte é que ele serve como um excelente recrutador de novos talentos, bem como um ímã para reter os melhores talentos - proposições cada vez mais difíceis no mercado hipercompetitivo de hoje. Além disso, um Propósito Transformador Massivo serve como uma força estabilizadora durante períodos de crescimento instável e permite que as organizações sigam com menos turbulência. Sendo um atrator e retentor eficaz de clientes e colaboradores, ele também influencia o ecossistema da empresa como um todo. Como resultado, ele reduz os custos de aquisição, de transação e de retenção dos participantes. Os PTMs criam uma penumbra ao seu redor que influencia cada parte da organização.


Um ótimo exemplo é o Red Bull, cujo PTM é “Te dá asas”.


Vale citar outros exemplos de PTM:

  • TED: Ideias que merecem ser espalhadas.

  • Google: Organizar a informação do mundo.

  • X Prize Foundation: Promover avanços radicais para o benefício da humanidade.

  • Quirky: Tornar a invenção acessível.

  • Sigularity University: Impactar positivamente um bilhão de pessoas.

  • Connectholics: Combater o desperdício de potencial humano, valorizando as características individuais e identificando as melhores combinações para formar times de sócios imbatíveis.

Com todo esse movimento podemos esperar que, ao longo do tempo, as marcas se misturem com os PTMs, tornando-se cada vez mais aspiracionais. Por quê? Porque as marcas aspiracionais criam ciclos de feedback positivos na comunidade da ExO: os clientes se sentem bem com os produtos e têm cada vez mais orgulho de fazer parte de um movimento grandioso. Uma marca aspiracional ajuda a reduzir custos, aumenta a eficácia e acelera a aprendizagem ao alavancar a motivação intrínseca e não a externa.


Há também uma vantagem econômica em abraçar um PTM. O mundo está enfrentando muitos grandes desafios e, parafraseando Peter Diamandis, “os maiores problemas do mundo são os maiores mercados do mundo”.


Você já definiu a sua causa justa? Ela está alinhada com o PTM da sua empresa? Comente abaixo e podemos construir juntos.

Inspirada pelo Simon Sinek, eu já fiz o meu dever de casa!

Patrícia Antonino: Minha causa justa é construir um mundo em que a maioria das pessoas se conecte de forma genuína, tendo a diversidade como principal requisito para o fortalecimento das relações, criando ambientes seguros para potencializar a comunicação, a criatividade, a aprendizagem e o autoconhecimento, e desejo que inúmeras pessoas se juntem a mim para alcançá-la.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo